foi curiosa a história da compra do livro. inicialmente corri para o ir comprar e não estava disponível, depois estava na prateleira mas não era a primeira edição e por fim e mesmo antes de ir de férias lá o consegui encontrar num espaço arrumado a um canto. comprei.

levei o livro, mas antes quis ler a entrevista que Chico Buarque deu ao suplemento Ípsilon do Público.  aí fiquei a conhecer melhor a história que ia ler, a construção de algumas personagens e o percurso do romance. a vontade de ler aumentou.

antes de o ler também o ofereci a uma amiga, que é uma ávida leitora e que ainda não tinha devorado este. foi um passo de cálculo arriscado, pois tinha lido o anterior livro do autor e a referência tinha ficado em mim.

não sou de ler livros de uma assentada, pois gosto de ir conhecendo com alguma lentidão a história, mas uma tarde foi o que demorou a lê-lo.

é um ritmo lento, compassado mas cheio de magia, que o encerra. e o final do livro, esse momento de pura poesia ,não me deixa esquecê-lo.

Partilhe este artigo:

Sem comentários

  1. Sem comentários

Comente