é mesmo naquele momento em que a cabeça pesa para a frente e de repente abrimos os olhos, é naqueles nano segundos, em que nem sabemos bem onde estamos, em que parece que saímos de um sonho difuso, mas que já estamos a aterrar na realidade, que sabe bem ouvir este, “Creaturas of an Hour”.

não quero dizer com isto que é apenas bom nesses nano segundos, a emoção que sinto é que é muito semelhante a esse momento de quase desligar e de reaproximação. é algo que é impossível de descrever, é algo particular, mas ao mesmo tempo quase que ganha universalidade pela dimensão que tem. penso que essa fruição de sentidos está presente para muita gente, logo assume uma proporção generalizada.

Londres ainda dá ao mundo coisas boas como estes “Still Corners”, que já voltaram a editar este ano e que apesar de serem uma banda pequena, preenchem rapidamente toda a atenção, aliás e em modo de comparação não ficam nada atras de uns Beach House.

é portanto neste momento em que quase durmo, mas que queria continuar acordado que escrevo e por isso tudo me parece demasiado relativo para ser levado a sério. mas a vida é mesma assim, feita de coisas que não são para se levar a sério, mas este álbum é.

+ Still Corners

+ facebook

+ myspace

+ tumblr

 

Partilhe este artigo:

Sem comentários

  1. Sem comentários

Comente